Gauchinha Bem-Querer

Grito dos Livres

Veterano

Eu só peço a Deus

Doce amargo do amor

É disso que o velho gosta

Céu, Sol, Sul

Canto dos livres

Canto Alegretense

 

 

Próxima página

>

 

 Vozes Rurais
Autores: João de Almeida Neto
Intérprete: João de Almeida Neto

A E7 A
                                  E7
Cada vez que um campeiro abre o peito
                              A
Num galpão interior que ele traz
                               E7
Quem não quer o Rio Grande cantando
                            A
Com razões sem sentidos desfaz
                          E7
Mas no meio de tantos estranhos
                          A
Momentistas e circunstanciais
                             E7
Surge o forte refrão das campanhas
                     A
Entoado por vozes rurais
                             E7
(Dê-lhe boca essas bocas cantoras
                         A
Redentora da voz dos galpões
               B7           E7      Bis
Dê-lhe pata e desata esse brado
                            A
Dos sagrados rituais dos fogões)
Int.
                             E7
/E entre tantos que negam e fogem
                       A
Aos atávicos tons musicais
                         E7
Estão eles de bota e bombacha
                             A
Sustentando os padrões culturais
                                E7
Que não falte coragem a esses homens
                               A
Contra o tempo agüentando o repuxo
                                 E7
E que as estranhas tendências imponham
                    A
O autêntico canto gaúcho/

 

Tango do Meretrício
Autores: Luiz Bastos - Mauro Ferreira
Intérprete: João de Almeida Neto

 

Gm D7 Dm7(b5) G7 Cm7 F7 Bb Eb Cm D7 Gm D7 Gm

 

       Gm

(Rasguei a certidão de casamento

            D7

Finquei o braço na mulher

       Dm7(b5) G7  Cm        F7      Bb

foi um gritedo vesti uma fatiota elegante

       Eb            D7                      Gm  D7  Gm

Despachei duas amantes e me mandei pro chinaredo)

 

 

Não há lugar melhor que o meretrício

    D7                         Dm7(b5) G7

No vício é que eu encontro meu papel

      Cm7               F7           Bb

Me enfrasco e canto um tango pras gurias

            Eb           Cm D7                  Gm  D7  Gm

Que eu sou filho de uma tia da empregada do Gardel

 

         F7                       Bb

Desde guri eu nunca fui um bom sujeito

                    D7                       Dm7(b5) G7

Pois a falta de respeito sempre foi minha vocação

           Cm7        F7         Bb

Me lendo a mão uma cigana disse tudo

    Eb           Cm         D7       Dm7(b5) G7 (Gm D7 Gm)    Bis

Ou capam esse cuiúdo ou emprenha toda nação

Int.( )

                         G7            Cm

Dizem que bom eu só vou ser depois de morto

                      D7                         Dm7(b5) G7

Porque pau que nasce torto não dá mais prá endireitar

           Cm         F7               Bb

Eu sou teimoso e por não concordar com isso

       Eb           Cm            D7         Gm D7 Gm

Me mandei pro meretrício e fico até desentortar

 

     F7                           Bb

Amanhã minha mulher que é uma cruzeira

                        D7                    Dm7(b5) G7

Vai reunir a família inteira prá tentar me redimir

          Cm           F7             Bb

Mas eu garanto que enquanto tiver dinheiro

          Eb          Cm     D7             Dm7(b5) G7 (Gm D7 Gm)

Nem que chamem os bombeiros não me tiram mais daqui

 

 

 


 Semeadura
 
Fogaça  

Em                          B7              Em

Nós vamos prosseguir companheiro, medo não há

                     B7                      Em

No rumo certo da estrada, unidos, vamos crescer e andar

                B7                         Em

Nós vamos repartir companheiro, campo e o mar

                     B7                         Em

O pão da vida, meu braço meu peito, feito pra amar

 G           D7               B7     Em

(Americana pátria morena, quiero tener

                  C        B7       Em

Guitarra e canto livre en tu amanhecer

G             B7

No pampa meu pala a voar

            Em                     B7   Em

Esteira de vento e luar, vento e luar)

               B7                       Em

Nós vamos semear, companheiro, no coração

                  B7                                  Em

Manhãs, frutos e sonhos pra um dia acabar com esta escuridão

                B7                   Em

Nós vamos preparar companheiro, sem ilusão

                        B7                          Em

Um novo tempo em que a paz e a fartura, brotem das mãos

( )

 Minha guitarra, companheiro fala o idioma das águas

das pedras, dos cárceres, Do medo, do fogo e do sal

Minha guitarra tem os demônios da ternura e da tempestade

É como um cavalo que rasga o ventre da noite, Beija o relâmpago

E desafia os senhores da vida e da morte

Minha guitarra é minha terra, companheiro

É meu arado semeando na escuridão um tempo de claridade

Minha guitarra é meu povo, companheiro.

 
  
  
  
  
  



  
  
  
  
 

Potro Sem Dono
Autor: Noel Guarany
Intérprete: Noel Guarany

Intro: Em
Em                   D7                G

A sede de liberdade rebenta a soga do potro

  C                        D7

Que parte em busca do pago e num galope dispara

 C                          B7                  Em

Rasgando a coxilha ao meio mordendo o vento na cara
                         D7                   G

Bebe horizonte nos olhos empurra aterra pra trás

 C                         D7

Já vai bem longe a figura mostra o caminho tenaz

 C                      B7                  Em

Da humanidade sofrida que luta em busca da paz
 Em C B7        Em

(Vai potro sem dono

 Am C B7       Em     Bis

Vai livre como eu)

Int.
                            D7                 G

Se a morte lhe faz negaças joga na vida com a sorte

 C                         D7

Desprezo da própria morte não se prende a preconceitos

 C                          B7                 Em

Nem mata a sede com farsas leva um destino no peito
                         D7                   G

Nas seivas da madrugada vai florescendo a canção

C                     D7

Aquece o fogo de chão enxuga o pranto de ausência

C                       B7                 Em

Essa guitarra campeira velho clarim da querência

 



 

Louco Por Chamamé
Autores: Luiz Bastos
Intérprete: Neto Fagundes

 

Am

  

                    Am                 G  F     E7

A tarde abafou o espaço sol e mormaço mandando ver

                                               Am

Andava no meu picaço me fui ao passo dar de beber

                              A7            Dm

A balsa ia rio acima e uma morena de lá sorriu

   (Dm)               Am     G    F     E7               Am

/Botou uma flor no cabelo me atirou um beijo e depois sumiu/   Bis

 

A                                  F#m              Bm

Quem sabe fosse a morena uma estancieira buscando amor

                   E7            D       E7  A

Quem sabe ficou parada nesta fachada de domador

     F#m                                             Bm

Quem sabe naquela trança tem uma herança e dinheiro tanto

                     E7                               A

Que um tipo viva crinudo e vendendo tudo ainda sobre campo

Int. A Bm7 E7 A A7 D E7 A

                    Am                   G F    E7

Fiquei meio enfeitiçado sempre enredado no assobio

                                                 Am

A moça no pensamento e os olhos sempre rondando rio

                                     A7              Dm

Um dia sei que ela volta se a balsa sobe tem que descer

    (Dm)                Am      G  F    E7                Am

/Pintando o rio de aquarela e trazendo nela o meu bem querer/  Bis

 

A                                  F#m               Bm

(Morena fique sabendo que eu quero mesmo é mudar de vida

                  E7               D        E7   A

Já chega de pantomina com essas meninas de má bebida

   F#m                                            Bm

Eu sou um partido de luxo flor de gaúcho além de ser

                     E7                             A

Doutor num jogo de truco borracho e louco por chamamé)

Int.( )

   F#m               Bm              E7             A

Doutor num jogo de truco borracho e louco por chamamé

   F#m               Bm              E7             F

Doutor num jogo de truco borracho e louco por chamamé

                  G                   A  D  A  E7  A7M

E louco por chamamé e louco por chamamé

 

 

 
 Morocha
Autores: Mauro Ferreira - Roberto S. Ferreira
Intérprete: David Menezes Jr.

Gm Dm A7 Dm A7 Dm

       Dm

Não vem morocha, te floreando toda

                D7                   Gm

Que eu não sou manso e esparramo as garras

                               Dm

Nasci no inferno, me criei no mato

           A7                     Dm

E só carrapato, é que em mim se agarra

Tu te aprochegas, reboleando os quarto

           D7                  Gm

Trocando orelha, meu instinto rincha

                             Dm

E eu já me paro, todo embodocado

           A7                     Dm

Que nem matungo, quando aperta a cincha

              C7              F

(Aprendi a domar amanunciando égua

              C7                 F

E para as mulher vale as mesmas regras

            Gm                Dm

Animal, te para sou lá do rincão        Bis

                           A7

Mulher pra mim é como redomão

                                Dm

Maneador nas patas e pelego na cara

Int.

Crinuda velha, não escolha o lado

            D7                  Gm

Nos meus arreios não há quem peliche

                                  Dm

Tu inchas o lombo, te encaroço a laço

            A7                    Dm

Boto os cachorros e por mim que abiche

Não te boleias que o cabresto é forte

               D7                   Gm

O palanque é grosso senta e te arrepende

                              Dm

Sou carinhoso, mas incompreendido

             A7                 Dm

E pra o teu bem, vê se tu me entendes

( )Int.

 

 

 

Entardecer

Am  E7  Am

 Am                                                        E7

Um matiz caboclo pinta o céu de vinho

                                                               Am

Pra morar sozinho todo o pago é pouco

                           Dm  G7                            C

Todo o céu se agita o horizonte é louco

E7                   F          E7                      Am

Num matiz caboclo de perder de vista

 

  Dm G7 C E7

(Amada, amada

                         F   E7               Am

Por viver sozinho não me apego a nada

  Dm G7 C E7

Amada, amada

                         F   E7                  Am

Por viver sozinho não me apego a nada)

 Int.

Am                                                      E7

O minuano rincha nas estradas rubras

                                                               Am

Repontando as nuvens pelo céu arriba

                        Dm  G7                                    C

O sol poente arde em sobrelombo à crista

E7                       F  E7                   Am

Quando Deus artista vem pintar a tarde

Int.

 Am                                                        E7

Um matiz de chumbo predomina agora

                                                                          Am

Vem chegando a hora de encontrar meu rumo

                           Dm  G7                            C

Ao seu olhar lobuno mais além do poente

E7                   F          E7                    Am

Onde vive ausente meu olhar reiúno

 

 

Gauchinha Bem-Querer

Tom: G

 G             Am  D7

Rio Grande do Sul

                    G  E7  Am

Vou-me embora sem amor

          D7           G  E7  Am

Vou-me embora do Rio Grande

         D7             G7  E7

Vou tão só com a minha dor

       Am                Eb

Vou levar a lembrança comigo

        G                     Em

De um amor que de olhares nasceu

        G                   D7

De um amor que depressa floriu

Mas tão cedo morreu.

 G             Am  D7

Rio Grande do sul

                G  E7  Am

Eu um dia voltarei

       D7          G  E7  Am

Prá rever o meu Guaíba

       D7             G7  E7

Prá rever meu bem-querer

     Am                   Eb

E depois se ela ainda quiser

        G                    Em

Só nós dois a sonhar e a sorrir

               Am

Rio Grande do Sul

 D7               G

Vou chorar ao partir

                         D7

Vou-me embora, vou-me embora prenda minha

                  G

Gauchinha bem-querer

 

 

 

 

Grito dos Livres

Dante Ledesma

Tom: Am

Am                                       E7

Quando os campos deste sul eram mais verdes

                                   Am

Índios pampeanos que habitavam o lugar

           G7                         Am

Foram mesclando com a raça do homem branco

          Dm                      E7

Recém chegado de querências além mar

          Am                       E7

E o novo ser que se formou miscigenado

                                  Am

Virou semente, germinou e se fez povo

            G7                 Am

E um grito novo ecoou no continente

             Dm                         E7    A

Lembrando a todos que esta terra tinha dono

                                  E7

Enquanto o gaúcho for visto no pampa

                 D                A

Enquanto essa raça teimar em viver

               C#7                  F#m

O grito dos livres ecoará nesses montes

                B7                 E7

Buscando horizontes libertos na paz

               A                  E7

No grito do índio, o grito inicial

                 D                  A

Com cheiro de terra no próprio ideal

               C#7                  F#m

De amor à querência liberta nos pampas

               D          E7           Am

Gerada em estampas do próprio ancestral

                                E7

A nova raça cresceu e traçou limites

                                   Am

Que bem demarcam a extensão dos ideais

           G7                  Am

E o mesmo povo hoje repete o grito

       Dm                    E7

Alicerçado nas raízes culturais

 

        Am                         E7

A liberdade não tem tempo nem fronteiras

                                         Am

O homem livre não verga e não perde o entono

         G7                       Am

Vai repetindo a todos num velho grito

           Dm                           E7    A

Passam os tempos mas a terra ainda tem dono

                                   E7

Do grito do índio, aos gritos atuais

                D                    A

Há cheiro de terra nos próprios ideais

                C#7                F#m

De um povo sofrido, ereto em vontade

                    B7                 E7

De escrever liberdade nos seus memoriais

                A                 E7

Enquanto o gaúcho for visto no pampa

                 D                A

Enquanto essa raça teimar em viver

               C#7                  F#m

O grito dos livres ecoará nesses montes

                B7                 E7

Buscando horizontes libertos na paz

                A                 E7

Enquanto o gaúcho for visto no pampa

                 D                A

Enquanto essa raça teimar em viver

               C#7                  F#m

O grito dos livres ecoará nesses montes

                D        E7        A  D  A

Buscando horizontes libertos na paz

 

 Veterano

Os Serranos

Tom: Em

 

Em                Am

Esta finando meu tempo

   D7                 Em

A tarde encerra mais cedo

                    Am

Meu mundo ficou pequeno

  B7                   Em

E eu sou menor do que penso

                      Am

O bagual tá mais ligeiro

      D7               G

O braço fraqueja às vezes

    B7                 Em

Demoro mais do que quero

      B7                Em

Mas alço a perna sem medo

E7                 Am

Se encilho cavalo manso

     D7            Em

Mas boto laço nos tentos

                      Am

Se a força falta no braço

      B7          Em

Na coragem me sustento

                         Am

Se lembro o tempo de quebra

     D7              G

A vida volta prá trás

   B7                       Em

Sou bagual que não se entrega

  B7        Em

Assim no mais

                  Am

Nas manhãs de primavera

        D7          Em

Quando vou parar rodeio

                    Am

Sou menino de alma leve

  B7              Em

Voando sobre o pelego

                    Am

Cavalo do meu potreiro

   D7                G

Mete a cabeça no freio

     B7           Em

Encilho no parapeito

          B7         Em

Mas não ato nem maneio

E7                 Am

Se desencilho o pelego

        D7            Em

Cai no banco onde me sento

                     Am

Água quente e erva buena

        B7        Em

Para matear em silêncio

                         Am

Se lembro o tempo de quebra

     D7              G

A vida volta prá trás

   B7                       Em

Sou bagual que não se entrega

  B7        Em

Assim no mais

                      Am

Neste fogo onde me aquento

   D7                Em

Remoo as coisas que penso

                     Am

Repasso o que tenho feito

      B7          Em

Para ver o que mereço

                       Am

Quando chegar meu inverno

          D7              G

Que me vem branqueando cedo

   B7                      Em

Vai me encontrar venda aberta

           B7       Em

No coração estreleiro

 E7                Am

Muy carregado dos sonhos

       D7          Em

Que habitam o meu peito

                      Am

Sei que irão morar comigo

        B7       Em

No meu novo paradeiro

                         Am

Se lembro o tempo de quebra

     D7              G

A vida volta prá trás

   B7                       Em

Sou bagual que não se entrega

  B7        Em

Assim no mais

 

 

 

Eu Só Peço a Deus

Tom: G

 

G      D7     G

Eu só peço a Deus

       C          Bm       Am

Que a dor não me seja indiferente

       G                        D7

Que a morte não me encontre um dia

     C             Bm             Em

Solitário sem ter feito o que queria

 G      D7     G

Eu só peço a Deus

            C           Bm        Am

Que a injustiça não me seja indiferente

                G           D7

Pois não posso dar a outra face

       C        Bm         Em

Se já fui machucado brutalmente

 G      D7     G

Eu só peço a Deus

        C            Bm         Am

Que a guerra não me seja indiferente

               G            D7

É um monstro grande e pisa forte

      C        Bm           Em

Toda pobre inocência dessa gente

 G      D7     G

Eu só peço a Deus

          C           Bm         Am

Que a mentira não me seja indiferente

              G                         D7

Se um só traidor tem mais poder que um povo

          C              Bm        Em

Que este povo não se esqueça facilmente

 G      D7     G

Eu só peço a Deus

         C           Bm         Am

Que o futuro não me seja indiferente

               G          D7

Sem ter que fugir desenganado

       C          Bm       Em

Prá viver uma cultura diferente

 

Doce Amargo do Amor

Os Mirins

Tom: A

 

A                          E

Me dê um chimarrão de erva boa

                                A

Que o doce desse amargo me faz bem

               A7           D

O amargo representa uma saudade

     A          E               A    E A

E o doce o coração que ela não tem

                                                  E

Cevei meu mate no romper da aurora

                               A

Chamei a china prá matear comigo

                           A7     D

Nem desconfiava que ela fora embora

             A           E      A

E esta saudade hoje é meu castigo

  A                          E

Me dê um chimarrão de erva boa

                                A

Que o doce desse amargo me faz bem

               A7           D

O amargo representa uma saudade

     A          E               A    E A

E o doce o coração que ela não tem

                               E

No fim da tarde nada me consola

                                A

Tomo um amargo disfarçando a dor

                          A7  D

Largo o porongo e pego na viola

            A             E      A

Canto saudade pro meu grande amor

 

 

   

 

É disso que o velho gosta

Berenice Azambuja

Tom: A

    A                E7

Eu sou um peão de estância

                  A

Nascido lá no galpão

                   E7

E aprendi desde criança

                 A

A honrar a tradição

     D               

Meu pai era um gaúcho

 Que nunca conheceu luxo

       Bb            E7

Mas viveu folgado enfim

 E quando alguém perguntava

 O que ele mais gostava

                 A

O velho dizia assim

                        E7

Churrasco e bom chimarrão

                      A

Fandango, trago e mulher

                     E7

É disso que o velho gosta

                     A

É isso que o velho quer

                       E7

E foi assim que aprendi

                   A

A gostar do que é bom

                   E7

A tocar minha cordeona

                    A

Cantar sem sair do tom

      D               

Ser amigo dos amigos

 Nunca fugir do perigo

      Bb               E7

Meu velho pai me ensinou

 

Eu que vivo a cantar

 

Sempre aprendi a gostar

                     A

Do que meu velho gostou

                        E7

Churrasco e bom chimarrão

                      A

Fandango, trago e mulher

                     E7

É disso que o velho gosta

                     A

É isso que o velho quer

 


Céu, Sol, Sul

Leonardo

Tom: G

     G

Eu quero andar nas coxilhas

                C                    G

Sentindo as flexilhas das ervas do chão

        B7                Em

Ter os pés roseteados de campo

                A7                   D7

Ficar mais trigueiro que o sol de verão

       G                    C           

Fazer versos cantando as belezas

           B7       Em

Desta natureza sem par

       C                    G

E mostrar para quem quiser ver

                D7         G

Um lugar prá viver sem chorar

       C                    G

E mostrar para quem quiser ver

                D7         G

Um lugar prá viver sem chorar

 

É o meu Rio Grande do Sul

           C            G

Céu, sol, sul, terra e cor

      C                   G

Onde tudo que se planta cresce

                 D7         G

E o que mais floresce é o amor

 

Eu quero me banhar nas fontes

               C         G

E olhar o horizonte com Deus

      B7                    Em

E sentir que as cantigas nativas

           A7                   D7

Continuam vivas para os filhos meus

        G                   C           

Ver os campos florindo e crianças

            B7         Em

Sorrindo felizes a cantar

       C                    G

E mostrar para quem quiser ver

                D7         G

Um lugar prá viver sem chorar

       C                    G

E mostrar para quem quiser ver

                D7         G

Um lugar prá viver sem chorar

 

É o meu Rio Grande do Sul

           C            G

Céu, sol, sul, terra e cor

      C                   G

Onde tudo que se planta cresce

                 D7         G

E o que mais floresce é o amor

 

 

 

 

Canto dos Livres

Cenair Maicá

Tom: C

 

C                   G

Se meu destino é cantar, eu canto

                         C             Am

Meu mundo é mais que chorar, não choro

                          Dm

A vida é mais do que um pranto, é um sonho

G                C

Como marquise sonoro

                      G

Hay os que cantam destinos de amores

                      C                Am

Por conveniência agradando os senhores

                       Dm

Mas os que vivem a cantar sem patrão

G                    C

Tocam nas cordas do seu coração

  C7                    F

Quem canta refresca a alma

   G                C

Cantar adoça o viver

  Am                Dm

Assim eu vivo cantando

  G                  C

Prá aliviar meu padecer

                   G

Quisera um dia cantar com o povo

                      C            Am

Um canto simples de amor e verdade

                      Dm

Que não falasse em misérias nem guerras

G                C

Nem precisasse clamar liberdade

   C7                   F

No cantar de quem é livre

   G               C

Hay melodias de paz

   Am               Dm

Horizontes de ternura

   G                 C

Nesta poesia de andar

                   G

Quisera ter a alegria dos pássaros

                  C      Am

Na sinfonia do alvorecer

                 Dm    

De cantar para anunciar quando vem chuva

G                C

E avisar que já vai anoitecer

                    G

E ao chegar a primavera com as flores,

                   C           Am

Cantar um hino de paz e beleza

                       Dm

Longe da prisão dos homens, da fome

G                     C

Prá nunca cantar tristeza

  C7                    F

Quem canta refresca a alma

   G                C

Cantar adoça o viver

  Am                Dm

Assim eu vivo cantando

  G                  C

Prá aliviar meu padecer

 


 

 

Canto Alegretense

Neto Fagundes

Tom: C

 

C                                 G

Não me perguntes onde fica o Alegrete

                                 C  C7       

Segue o rumo do seu próprio coração

      F           G            C   Am        

Cruzarás pela estrada algum ginete

       Dm           G          C 

E ouvirás toque de gaita e violão

                                       G

Prá quem chega de Rosário ao fim da tarde

                                   C  C7

Ou quem vem de Uruguaiana de manhã

         F             G              C   Am

Tem o sol como uma brasa que ainda arde

        Dm       G           C

Mergulhado no Rio Ibirapuitã

        G                     C

Ouve o canto gauchesco e brasileiro

        G                      C    C7

Desta terra que eu amei desde guri

         F          G             C     Am  

Flor de tuna, camoatim de mel campeiro

        Dm           G             C

Pedra moura das quebradas do Inhanduy

                                 G

E na hora derradeira que eu mereça

                               C   C7

Ver o sol alegretense entardecer

           F            G           C   Am

Como os potros vou virar minha cabeça

           Dm         G           C

Para os pagos no momento de morrer

                                G

E nos olhos vou levar o encantamento

                                 C  C7

Desta terra que eu amei com devoção

      F               G              C    Am

Cada verso que eu componho é um pagamento

          Dm       G          C

De uma dívida de amor e gratidão