Mestre sala dos Mares

De frente pro crime

 

 

Mestre-sala dos Mares

João Bosco - Aldir Blanc

 

     E                        E7M     E/G#              F#m

Há muito tempo nas águas da Guanabara o dragão do mar reapareceu

                B7                                E          E    Eb7    D7

Na figura de um bravo feiticeiro a quem a história não esqueceu

C#7            F#7             D#m7        G#7        C#m

Conhecido como navegante negro, tinha a dignidade de um mestre-sala

                          F#7

E ao acenar pelo mar na alegria das regatas

Foi saudado no porto pelas mocinhas francesas

        Am/C             B7        E

Jovens polacas e por batalhões de mulatas

D7  C#7    F#7    D#m7                  G#7          C#m

Rubras cascatas jorravam das costas dos santos entre cantos e chibatas

    C#m7         F#7

Inundando o coração do pessoal do porão

       Am7           B7     E          B7

Que a exemplo do feiticeiro gritava então

  E          A         B/A         E     F#m     B7

Glória aos piratas, às mulatas, às sereias

  E        A        B7         E

Glória à farofa, à cachaça, às baleias

(D7   C#7)

Glória a todas as lutas em glória

                                                A

Que através da nossa história não esquecemos jamais

                E  C#7                 F#7

Salve o navegante negro que tem por monumento

   Am       B7        E

As pedras pisadas do cais

 


 

De Frente pro Crime

João Bosco - Aldir Blanc

                           E

Tá lá o corpo estendido no chão

                       A7        C#m7/9

Em vez de um rosto uma foto de um gol

                              C#m/B

Em vez de reza uma praga de alguém

 A7M          G#m4/7    C#m4/7   A/B

E um silêncio servindo de amém

   E               A7       E

O bar mais perto depressa lotou

                    A7    C#m7/9

Malandro junto com trabalhador

                           C#m/B

Um homem subiu na mesa do bar

  A7             B7    E7/9

E fez discurso prá vereador

                   A7     B7            E7

Veio camelô vender anel, cordão, perfume barato

                       A7      B7               E7

E a baiana prá fazer pastel e um bom churrasco de gato

                          A7   B7                E7

Quatro horas da manhã baixou o santo na porta-bandeira

                      A7      B7

E a moçada resolveu parar, e então...

'Tá lá o corpo estendido no chão

Em vez de um rosto uma foto de um gol

Em vez de reza uma praga de alguém

E um silêncio servindo de amém

Sem pressa foi cada um pro seu lado

Pensando numa mulher ou num time

Olhei o corpo no chão e fechei

Minha janela de frente pro crime