Gitã

Eu Nasci a Dez Mil Anos Atrás

Maluco Beleza 

Trem das Sete

Metamorfose Ambulante

Tente Outra Vez

 

 

Gitã

Raul Seixas - Paulo Coelho

 

E                F#m           B7                  E

Às vezes você me pergunta por que é que eu sou tão calado

G#7                C#m        F#7                 B7

Não falo de amor quase nada, nem vivo sorrindo ao seu lado

(C                     B)

Você pensa em mim toda hora, me come, me cospe e me deixa

Talvez você não entenda, mas hoje eu vou lhe mostrar

(A                E)

Eu sou a luz das estrelas, eu sou a cor do luar

D                E

Eu sou as coisas da vida, eu sou o medo de amar

(A              E)

Eu sou o medo do fraco, a força da imaginação

D      A      E

O blefe do jogador, eu sou, eu fui, eu vou

 

Eu sou o seu sacrifício, a placa de contramão

O sangue no olhar do vampiro, e as juras de maldição

Eu sou a vela que acende, eu sou a luz que se apaga

Eu a beira do abismo, eu sou o tudo e o nada

 

Por que você me pergunta, perguntas não vão lhe mostrar

Que eu sou feito da terra, do fogo, da água e do ar

Você me tem todo dia, mas não sabe se é bom ou ruim

Mas saiba que eu estou em você, mas você não está em mim

 

Das telhas eu sou o telhado, a pesca do pescador

A letra "A" tem meu nome, dos sonhos eu sou o amor

Eu sou a dona de casa dos pegue-pagues do mundo

Eu sou a mão do carrasco, sou raso, largo, profundo

 

Eu sou a mosca na sopa, o dente do tubarão

Eu sou os olhos do cego e a cegueira da visão

É, mas eu sou o amargo  da língua, a mãe, o pai e o avô

O filho que ainda não veio, o início, o fim e o meio

 

 

 

Eu Nasci Há Dez Mil Anos Atrás

Raul Seixas - Paulo Coelho

 

E      A      D              A   D   E

Eu nasci há dez mil anos atrás

A                D                          E

E não tem nada nesse mundo que eu não saiba demais

D

Eu vi Cristo ser crucificado

A                      F#m

O amor nascer e ser assassinado

E

Eu vi as bruxas pegando fogo

A        A7

Prá pagarem seus pecados, eu vi

D

Eu vi Moisés cruzar o Mar Vermelho

A                  F#m

Vi Maomé cair na terra de joelhos

B7                          E

Eu vi Pedro negar Cristo por três vezes

A        E

Diante do espelho, eu vi

REFRÃO

Eu vi as velas se acenderem para o Papa

Vi Babilônia ser riscada no mapa

Vi Conde Drácula sugando sangue novo

E se escondendo atrás da capa, eu vi

Eu vi a arca de Noé cruzar os mares

Vi Salomão cantar seus salmos pelos ares

Vi Zumbi fugir com os negros prá floresta

Pro Quilombo dos Palmares, eu vi

E      A     D              A   D   E

Eu nasci há dez mil anos atrás

A                D                           E

E não tem nada nesse mundo que eu não saiba demais

D

Eu vi o sangue que corria da montanha

A                     F#m

Quando Hitler chamou toda Alemanha

E

Vi o soldado que sonhava com a amada

A      A7

Numa cama de campanha

D

Eu li os símbolos sagrados de umbanda

A                       F#m

Fui criança prá poder dançar ciranda

B7                            E

Quando todos praguejavam contra o frio

A         E

Eu fiz a cama na varanda

REFRÃO

Eu tava junto com os macacos na caverna

Eu bebi vinho com as mulheres na taberna

E quando a pedra despencou da ribanceira

Eu também quebrei a perna, eu também

 

Eu fui testemunha do amor de Rapunzel

Eu vi a estrela de Davi brilhar no céu

E pr'aquele que provar que eu estou mentindo

Eu tiro o meu chapéu

 

  

Maluco Beleza

R. Seixas - C. Roberto - A. de Azevedo

 

D              A/C#                Bm       G

Enquanto você se esforça prá ser um sujeito normal

A               D    A7

E fazer tudo igual

D                    A/C#               Bm           G

Eu do meu lado aprendendo a ser louco, um maluco total

A            D    Bm

Na loucura real

(Em                   A7)

Controlando a minha maluquez misturada com minha lucidez

D  F#7              G             A7

Eu vou ficar,   ficar com certeza maluco beleza

E esse caminho que eu mesmo escolhi é tão fácil seguir

Por não ter onde ir

   


 

Trem das Sete

Raul Seixas

 

Intr.: A9

A9

Ói, ói o trem, vem surgindo de trás das montanhas azuis, olha o trem

Ói, ói o trem, vem trazendo de longe as cinzas do velho aeon

D                    E7                       A

Ói, já é vem, fumegando, apitando, chamando os que sabem do trem

Ói, é o trem, não precisa passagem nem mesmo bagagem no trem

E               A

Quem vai chorar, quem vai sorrir ?

Quem vai ficar, quem vai partir ?

E            A             E             A

Pois o trem está chegando, tá chegando na estação

E            A          E            A    D        E

É o trem das sete horas, é o último do sertão,   do sertão

A9

Ói, olha o céu, já não é o mesmo céu que você conheceu, não é mais

Vê, ói que céu, é um céu carregado e rajado, suspenso no ar

A9                 D                      E7                A

Vê, é o sinal, é o sinal das trombetas, dos anjos e dos guardiões

Ói, lá vem Deus, deslizando no céu entre brumas de mil megatons

D                       E7                  F#m

Ói, ói o mal, vem de braços e abraços com o bem num romance astral

E    A

A...mém

 

 

 

Metamorfose Ambulante

Raul Seixas

 

Intr.: ( G   D   A )

G  D                   A

Prefiro ser essa metamorfose ambulante

Eu prefiro ser essa metamorfose ambulante

G                  D                     A         (G A G A G C A G A)

Do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo (2x)

Eu quero dizer agora o oposto do que eu disse antes

Eu prefiro ser essa metamorfose ambulante

G                  D                     A

Do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo     1

G                 Bb                     A      F

Do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo

C                   D

Sobre o que é o amor, sobre que eu nem sei quem sou

C

Se hoje eu sou estrela, amanhã já se apagou

D                      C

Se hoje eu te odeio, amanhã lhe tenho amor

D               C                D             C

Lhe tenho amor, lhe tenho horror, lhe faço amor, eu sou um ator

É chato chegar a um objetivo num instante

Eu quero viver nessa metamorfose ambulante

  REPETE 1

  Eu vou desdizer aquilo tudo que eu lhes disse antes

Eu prefiro ser essa metamorfose ambulante

Do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo    (3x)

   

 

Tente Outra Vez

Raul Seixas - Paulo Coelho - M. Motta

 

Intr.: ( G )

A    C                               G

Veja, não diga que a canção está perdida

D                              A

Tenha fé em Deus, tenha fé na vida

C    Bm Am      G    Bm    E

Ten...te  outra vez

Beba, pois a água viva ainda está na fonte

Você tem dois pés para cruzar a ponte

C  Bm  A      G

Nada  a...ca...bou, não, não, não

C                                              Bm

Oh, tente, levanta tua mão sedenta e recomece a andar

C                                     G

Não pense que a cabeça agüenta se você parar

D

Não, não, não, não, não, não

C                      D

Há uma voz que canta, há uma voz que dança

F               G   D   E

Há uma voz que gira bailando no ar

A

Queira, basta ser sincero e desejar profundo

Você será capaz de sacudir o mundo, vai

Tente outra vez

 Tente, e não diga que a vitória está perdida

Se é de batalhas que se vive a vida

Tente outra vez